Fazer um grego

O Que é Fazer um Grego e Como Fazê-lo

Você já deve ter ouvido falar que “alguém fez um grego”, mas sabe exatamente o que isso significa?

Um “grego” é o nome que se dá ao sexo anal, e de fato, não é a única prática sexual denominada de maneira “cortês”, então, no sexo, também existem outras práticas como por exemplo, “um francês”.

Agora, você por que que esses nomes surgiram?

Basicamente porque as relações sexuais sempre foram um grande tabu, e para evitar chamá-las com o seu próprio nome, foram rebatizadas com outras formas mais sutis e sofisticadas.

Abaixo, você irá descobri o que é “um grego” e como fazê-lo para que possa desfrutar plenamente das suas relações sexuais e de todas as possibilidades que elas oferecem para o seu corpo.

O que é “um grego”

Um grego nada mais é do que praticar sexo anal, ou seja, em vez do homem penetrar a vagina da mulher, que é a maneira mais tradicional de ter relações sexuais, ele pode penetrá-la pelo ânus, uma área mais estreita e sem lubrificação, que pode chegar a causar grande satisfação para ambos.

O grego ou sexo anal se caracteriza precisamente por isso: porque a penetração é anal. Portanto, é necessário que as medidas de higiene sejam extremas, já que esta é uma área do corpo que tende a acumular bactérias que podem desenvolver DST’s (doenças sexualmente transmissíveis).

Além disso, mesmo se você for homossexual, o uso de preservativos para esta prática é de vital importância, já que é a única maneira existente de evitar a propagação dessas doenças, incluindo o HIV.

Por que o sexo anal é chamado de grego?

Os nomes com que algumas práticas sexuais são socialmente conhecidas têm sua origem no século XIX, quando os primeiros bordéis começaram a surgir na França, Alemanha e Itália, mas diferentemente dos prostíbulos atuais, os que surgiam naquela época eram lugares luxuosos que foram criados para pessoas de altos níveis sociais.

Esses lugares eram frequentados por personalidades elegantes que faziam parte da classe média alta e que queriam experimentar o sexo de uma maneira diferente e exclusiva.

Nesta época, houve uma ascensão da burguesia, e pouco a pouco eles puderam enriquecer e fazer parte de uma classe mais alta que era rodeada por joias, carros de luxo e moda. Neste contexto de luxo, surgiram os bordéis que não visavam apenas o público masculino, mas também o feminino.

Foi nesses espaços sexuais que as práticas começaram a ser batizadas com esses nomes mais sofisticados, um francês por exemplo, significa sexo oral, e um grego, o sexo anal. Desta forma, foi possível criar um “pseudônimo” sem colocar em perigo a imagem do coletivo social.

E a razão pela qual o sexo anal é chamado de grego é porque acredita-se que na Grécia antiga as relações sexuais homossexuais eram comuns, ou seja, as relações anais.

De fato, era uma prática bem vista, e considera-se que essa civilização inventou esse tipo de sexo. De qualquer forma, isso não deixa de ser um mito porque não se sabe com certeza se é real ou fictício.

Dicas para desfrutar de um grego

O grego ou sexo anal é um tipo de relação sexual que pode ser muito agradável se você praticar da maneira certa e com todo cuidado, como por exemplo usando preservativo, e melhor ainda se tiver lubrificante, já que não há fluídos que facilitam a penetração ou fricção. Além disso, sua capacidade de dilatação é limitada e muito mais gradual do que a da vagina.

Portanto, se quiser curtir um grego que tanto você como o seu parceiro aproveitem bastante, você deverá seguis alguns conselhos:

  1. Máxima excitação: é importante que os dois estejam excitados para praticar um grego, já que, como foi dito anteriormente, a estimulação anal não oferece muito prazer a não ser que você já tenha sido excitada previamente. Sendo assim, tome o tempo necessário nas preliminares e tenha realmente muita vontade de transar, e claro, fazer um grego.
  2. A importância da lubrificação: é essencial que, se quiser fazer sexo anal, você tenha um lubrificante íntimo que irá te ajudar a fazer com que a fricção do pênis seja prazerosa e não dolorida. Fazer um grego sem lubrificante pode ser doloroso e produzir fissuras anais ou feridas.
  3. Não se esqueça do resto do corpo: apenas penetrar a cavidade anal e não tocar em outras partes do corpo é um grande erro, porque no ânus quase não há terminações nervosas que produzam prazer, especialmente para as mulheres. Portanto, mesmo se estiver tendo relações deste tipo, o ideal é que o homem continue estimulando a sua parceira tocando os seus órgãos genitais ou lhe masturbando, beijando e acariciando.
  4. Comece lentamente: quando chegar o momento da penetração, o recomendado é que a penetração do pênis aconteça de forma lenta e com grande cuidado. Assim que a cavidade estiver dilatada, será mais fácil fazer movimentos mais rápidos, mas sempre com cuidado e sem forçar demais para não machucar.

Fazer um grego pode ser algo muito gostoso e que é mais comum entre os casais heterossexuais do que muita gente acredita. Vale a pena provar!

Você já tinha ouvido falar nessa expressão? Tem vontade de experimentar fazer um grego com o seu parceiro? Comente abaixo!

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 4,50 de 5)
Loading...

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*