Garoto de programa

Garoto de Programa Revela Como É Ser um Profissional do Sexo

Este homem com 30 anos de idade que se anuncia como um “homem de ébano apenas para senhoras” diz que o seu trabalho é como uma vida social, e que enquanto os seus “serviços forem solicitados” ele continuará fazendo isso.

A vida de um garoto de programa não é apenas sexo e dinheiro. De acordo com este profissional do sexo, esse trabalho envolve muito mais coisas.

Este homem com 30 anos de idade que prefere permanecer anônimo se anuncia como um “homem de ébano apenas para senhoras” e prestas serviços em Londres e para o site Essex.

Ele conta que sua cliente mais nova tinha 24 anos de idade, enquanto que a mais velha tinha 60 anos.

Os seus serviços custam 100 libras, cerca de 440 reais, pela primeira hora e em seguida são adicionadas mais 30 libras pela próxima hora, depois mais 20 libras e em seguida 10 por cada hora acima disso.

Após dois anos nesta profissão, ele diz não se arrepender e que não pretende voltar atrás.

“Eu vi um documentário no Channel 4 sobre garotos de programa e pensei que se aquele cara podia fazer, eu também poderia, e melhor”, disse ele. “Então eu apenas decidi que iria fazer isso.”

Não se trata apenas de sexo, como esse profissional explicou ao site Essex Live. Ele disse: “Às vezes elas querem que as leve para sair, outras vezes que as acompanhe em algumas conferências, enquanto outras só querem fazer sexo. Às vezes, é uma mistura.”

Ele afirma que o que o atraiu para este trabalho foi o sexo e o dinheiro. “Eu vou para lugares agradáveis e restaurantes e sou pago para isso. É um tipo de vida social.”

No Reino Unido, a prostituição ou troca de serviços sexuais por dinheiro é legal desde que os envolvidos tenham 18 anos ou mais.

No entanto, uma série de atividades relacionadas, como por exemplo “trabalhar” em um lugar público, possuir ou gerenciar um bordel ou ser cafetão ou cafetina é estritamente contra a lei.

Embora seja difícil obter os números exatos, acredita-se que no ano de 2015 havia mais de 72 mil profissionais do sexo no Reino Unido.

Desse total, 88% eram mulheres e apenas 6% eram homens, enquanto que 4% eram transgêneros.

Ele ainda explica que o seu trabalho é realmente um trabalho, e que atende cerca de 4 a 5 clientes por semana. Fontes revelam que com este trabalho ele ganha uma boa quantia de dinheiro.

Embora muitas pessoas ainda tenham fortes percepções sobre os profissionais do sexo, como por exemplo que são ilegais, forçados a fazer isso, viciados, etc., pesquisas publicadas pelo Conselho Econômico e de Pesquisa descobriram que a maioria dos profissionais do sexo não são traficados ou viciados. Muitos escolhem entrar para a indústria do sexo e aproveitar o seu trabalho.

Muitos que trabalham neste setor sentem que a criminalização deste trabalho apenas aumenta a violência.

Com todo o estigma que envolve os profissionais do sexo que ainda está muito enraizado na sociedade, esse “homem de ébano” afirma que o ignora.

Ele disse: “Eu não me preocupo com a negatividade. Se outros jovens pensam em trabalhar com isso, eu digo para que o façam. Meus amigos e familiares não sabem sobre isso e nunca saberão.”

No entanto, ele afirma que este seu trabalho está definitivamente em seu futuro: “Enquanto meus serviços forem necessários, continuarei fazendo isso”.

Se você pesava que ser um garoto de programa era algo sofrido e “infeliz” o homem de ébano afirma que não, e que é isso que ele quer fazer pelo resto da sua vida.

RECOMENDADOS PARA VOCÊ

Você contrataria um garoto de programa para satisfazer sua vontade por sexo? O que o rapaz deveria ter para ganhar sua preferência?

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (Nenhum Voto Ainda)
Loading...

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*