Casal se Beijando na Rua

9 Ensinamentos Que Podemos Tirar de um Relacionamento Aberto

Estudos mostram que entre 30% e 60% de indivíduos casados nos Estados Unidos traem em algum ponto de seus casamentos. A infidelidade tem aumentado significativamente entre casais casados em seus 20 anos, o Wall Street Journal relata que “entre 1991 e 2006, os números de esposas infiéis abaixo de 30 aumentaram em 20% e maridos em um altíssimo 45%”. Muitas pessoas presumem que traições são um sintoma de um problema maior em um relacionamento. Mas de acordo com o artigo do Psychotherapy Networker “A nova monogamia”, “35% a 55% das pessoas que têm casos relatam estarem felizes em seus casamentos no momento de sua infidelidade”.

Então, o que está levando tantas pessoas a trair? Alguns acham que é questão de ver a sexualidade e comprometimento como dois conceitos mutuamente exclusivos. Como o artigo do Networker sugere, muitos indivíduos fazem exceção à fidelidade sexual ou têm abordagens alternativas às suas liberdades sexuais – e isso pode funcionar desde que ambos os parceiros estejam de acordo com estas decisões (e obviamente aí caracteriza-se um relacionamento aberto, queiram eles ou não).

Mas não importa qual for o acordo, há uma qualidade fundamental que, se comprometida, pode destruir qualquer relacionamento, seja ele um relacionamento aberto ou não, e ela é a honestidade. Pode-se dizer que o perigo verdadeiro da não-monogamia está na enganação. Como o artigo do Networker descreve, “a chave para um relacionamento aberto, e o que o faz significativo dentro da esfera do comprometimento emocional, é que não pode haver nenhum segredo entre os parceiros em relação aos seus casos”.

Manter a intimidade significa desfazer as restrições e construir a confiança. Significa estar perto de alguém sem perder seu senso único de ser. Apesar de parece contraintuitivo, evitar casos frequentemente significa oferecer mais liberdade aos seus parceiros, maior independência e comunicação aberta.

Aqui estão algumas regras que, baseadas nos princípios do relacionamento aberto, podem manter você e seu parceiro excitados um com o outro e com menos chances de se distanciarem.

1. Mantenha suas amizades

Seus amigos trazem à tona diferentes aspectos de sua personalidade que autenticamente te representam, e que evitam que você se perca no seu relacionamento. Bons amigos também oferecem atributos distintos às nossas vidas. Isso se contrapõe à pressão irreal que colocamos em nós mesmos de termos tudo vindo apenas de uma pessoa ou um relacionamento.

2. Expanda seu mundo; faça novos amigos; tente coisas novas

Pesquisas mostram que ter muitos amigos próximos adiciona anos à sua vida. Quando parceiros encolhem seus mundos para se acomodarem, o relacionamento sofre. Conheça os amigos de seu parceiro e faça-o conhecer os seus. Tentem atividades novas juntos e estejam abertos aos interesses um do outro.

3. Continue sendo a pessoa que era antes do seu relacionamento

Quando você começa a ceder aspectos de seu ser, você para de ser a pessoa por quem seu parceiro se apaixonou. Quando você se molda para se adaptar a ele, mesmo se ele pediu ou não, você perde sua vitalidade e seu relacionamento sofre.

4. Permita que seu parceiro mantenha os amigos dele (não importa o gênero)

Quando você restringe os movimentos de seu parceiro, ele vai começar a se ressentir de você, e pode se tornar menos direto para evitar lidar com sua reação. Seu parceiro precisa manter seus amigos pelos mesmos motivos que você precisa manter os seus. Ao deixar seu parceiro livre, você se certifica de que é a escolha “real” dele. Você não quer que alguém fique com você por obrigação, culpa ou medo. Você quer que seja porque ele te ama (e confia em você) por quem você é e porque você o ama pela mesma razão.

5. Não minta para seu parceiro, nem por omissão

Isso quer dizer para não participar de atividades com outros homens ou mulheres sobre as quais não quer falar para seu parceiro. Mentir pode parecer uma autopreservação no momento, mas a longo prazo isso só vai te distanciar. Quando as pessoas descobrem que foram enganadas por alguém que amavam, elas perdem qualquer confiança na pessoa, o que leva a um ciúme elevado, tentativas de controle ou rejeição.

6. Não fale de problemas no relacionamento com outros potenciais interesses amorosos

Usar alguém que não é imparcial como confidente não é inteligente e pode distanciar você de seu parceiro.

7. Não use o contato com outras pessoas para fazer ciúmes no seu parceiro

Isso é uma forma de manipulação. Mesmo que consiga a atenção dele, ele pode se ressentir de você por isso e ter menos apreço por você a longo prazo.

 8. Não crie falsas expectativas em outros que podem estar interessados em você

Seja clara nos seus limites. Se não for, as expectativas do seu “amigo” podem levar seu parceiro a se sentir ameaçado desnecessariamente.

9. Não transforme seu parceiro em um pai

Onde você pede a ele permissão para sair ou fazer algo sozinha, por exemplo. E por sua vez, não limite seu parceiro ao impor muitas restrições a suas ações. Isso cria uma dinâmica pai-filho de desigualdade no seu relacionamento que terá um efeito cascata. Se seu objetivo é curtir um relacionamento rico e sustentável, é essencial manter a igualdade, honestidade, respeito e individualidade. E, em muitos casos, essas características podem existir entre casais que decidiram por um relacionamento aberto ou monogâmico.

O colunista de sexo Dan Savage provocou controvérsia ao falar de expectativas irreais ou não naturais que impomos a relacionamentos monogâmicos, sugerindo até que, em alguns casos, “a não-monogamia pode fortalecer um casamento”.

Ainda assim, para isso ser possível, Savage destacou a importância inegociável da honestidade e sinceridade. Em uma entrevista para o NPR, Savage disse que “para um relacionamento aberto funcionar adequadamente, sem brigas nem lágrimas, ambos os envolvidos têm de concordar com uma série de regras”.

Sejam quais forem estas regras para um casal, se for insistir na monogamia ou abrir certas exceções, eles é quem devem decidir. O que importa é que uma vez que se decida e se concorde com os termos no relacionamento, devemos manter estas decisões. Com isso, oferecemos ao nosso parceiro e a nós mesmos um certo grau de liberdade e respeito como indivíduos separados que somos.

Estamos, então, livres para amar nossos parceiros por quem eles são, não como extensões de nós mesmos ou pessoas que devemos controlar, vigiar e suspeitar. Quando duas pessoas em um casal aceitam e apreciam a singularidade e independência de cada um, elas frequentemente se surpreendem com como se entendem melhor. Quando desistimos de algum controle, ganhamos muito mais do que perdemos.

Você acredita que conseguiria incorporar algum ou alguns desses ensinamentos de um relacionamento aberto no seu relacionamento monogâmico? Comente abaixo suas opiniões!

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (3 votos, média: 4,33 de 5)
Loading...


Um comentário

  1. Acho que muitos desses pontos são ilusórios. Não dá pra adaptar tudo isso a um relacionamento monogâmico, as pessoas pensam diferente e ponto final!

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*