Lésbicas

Boa Parte das Mulheres Prefere Assistir Pornô Lésbico – Entenda Porque

É tarde em uma noite de quinta-feira e Carla está entre os lençóis de sua cama, procurando o vídeo perfeito. Telefone na mão, ela percorre vídeos com títulos como “garotas se beijando” e “lésbicas gostosas”, clica em alguns, mas desiste e decide que eles não são bem o que ela está procurando. Finalmente, ela para em uma cena de uma mulher com cabelos escuros que beija e se esfrega em sua parceira loira até chegar ao orgasmo. Com a imagem de duas mulheres se esfregando, ela fica excitada e também chega ao orgasmo, desliga o telefone e adormece.

Carla, 27 anos, tem saído com o namorado dela, Felipe, por três anos. Mas quando se trata de assistir vídeos pornô, a sua preferência é para vídeos lésbicos. Ela gosta de assistir às mulheres, pois oferecem um outro cenário e ela gosta de ver como elas tentam agradar à outra, em vez de um parceiro homem que apenas penetra a mulher com frieza e brutalidade, como é comum nos filmes pornô héteros. Seus vídeos favoritos são os que mostram o corpo a corpo feminino, pois ela não gosta daqueles de aparência falsa, em que as mulheres estão “em lados opostos da cama com as pernas para cima”, ela confessa. “Eu gosto quando elas estão em cima uma da outra, quando eu posso imaginar o atrito entre elas.”

Carla não está sozinha na preferência por pornô lésbico. De acordo com dados coletados pela equipe de pesquisa e análise do Pornhub, a categoria mais popular entre os espectadores do sexo feminino do site é “lésbica” (a categoria mais popular para os homens é “teen”).

Uma pesquisa de 2014 divulgada pela Cosmopolitan.com mostrou que de 4.000 mulheres, quase 84% das leitoras já assistiram pornô lésbico em algum momento de suas vidas sexuais. E 20,3% delas, como Carla, dizem que preferem esse tipo de pornografia. Mas por quê?

Fluidez sexual feminina é um tema em pauta na cultura popular hoje em dia – de tempos em tempos esse assunto vem à tona na mídia, talvez por exposição de uma infinidade de estrelas pop como Miley Cyrus, Katy Perry e Britney Spears, que brincaram com a bissexualidade recentemente.

“Ao longo da última década, tornou-se cada vez mais aceitável – e até mesmo moda – para as mulheres expressar sua atração por outras mulheres, mesmo que isso signifique se juntar com um amigo em uma festa ou com o namorado para brincar a três”, observa Shira Tarrant, uma professora em estudos de gênero e sexualidade na Califórnia State University e co-autora do livro “Novos pontos de vista sobre a pornografia”.

Isso é, em parte, reflexo de uma maior aceitação generalizada de ativismo LGBT e sexualidade. Mas também é porque o sexo entre duas mulheres é visto como sexy e desejável. “Sexualidade feminina é aceita de uma forma que as histórias sobre a bissexualidade masculina ainda não são,” Tarrant explica.

O jornalista do New York Times Daniel Bergner, em um estudo desenvolvido pelo psicólogo canadense Meredith Chivers, mediu a resposta genital de 96 homens e mulheres a várias cenas sexuais – incluindo gays e casais heterossexuais fazendo sexo, masturbação individual, pessoas nuas e sexo entre os macacos.

Os homens da pesquisa foram despertados sexualmente principalmente por vídeos que combinavam com sua orientação sexual declarada, ou seja, os homens heterossexuais ficaram estimulados com os vídeos com a presença do gênero feminino (mulheres) seja andando nuas, se masturbando ou em relações sexuais e os homens gays reagiram da mesma maneira com imagens de homens.

Mas a resposta das mulheres foi determinada menos pelo gênero da pessoa que elas estavam assistindo e mais pelas cenas que estavam sendo retratadas. Um vídeo de um homem nu se exercitando provocou pouca resposta na maioria das mulheres heterossexuais. Porém, um vídeo de duas pessoas fazendo sexo provocou uma resposta genital forte, independentemente se os atores eram homens ou mulheres, héteros ou gays.

Para um produtor pornô gay que não se identificou, não interessa as pessoas que estão transando, nem o gênero delas, mas sim o movimento, é isso, segundo ele, que desencadeia a excitação e é a base de qualquer pornô. Para ele, o apelo visual é muito maior pela ação em si, do que pelo gênero das pessoas.

Basta conversar com mulheres heterossexuais que assistem a pornografia lésbica e elas irão dizer algo semelhante: que as artistas do sexo feminino não são uma barreira para deixar de assistir, mas também não são a atração principal também. O que realmente lhes interessa, dizem elas, é que em uma indústria em que grande parte do que é produzido é criado por e para homens, a pornografia lésbica é o único material erótico que elas podem achar que coloca de forma confiável o prazer feminino no seu centro.

“Eu gosto de pornografia lésbica porque, pela sua própria natureza, ela está focada no que é bom para as mulheres”, explica Laura, uma estudante de graduação de 25 anos de idade. “Há mais atenção para a estimulação vaginal e clitoriana simultânea que espelha exatamente o que eu sinto ou quero sentir na cena.”

Laura começou a assistir pornô lésbico há cinco anos, quando ela se cansou de “cena após cena de sexo agressivo, sem emoção e com penetração brutal” na pornografia hétero. Ela conheceu o IFeelMyself.com, um site australiano que apresenta cenas artísticas e bem produzidas de orgasmo feminino. “É principalmente cenas de meninas se masturbando, mas há um monte de pornografia de sexo entre mulheres também. Parecia muito real, diferente da versão falsa do sexo que você vê na pornografia mainstream.”

Laura mostra um exemplo de um clipe que ela gosta: um vídeo de cerca de 3 minutos com quatro jovens mulheres rolando na cama rindo e conversando, enquanto três delas começam a beijar a boca de uma delas, penetrando-a com os dedos e tocando seus seios e clitóris. “Eu gosto porque é óbvio que elas estão se divertindo, e que tudo o que fazem é para proporcionar prazer e não para mostrar um bom desempenho, como ocorre com os homens”, explica ela. “Para mim, não se trata de sentir atração pelas mulheres, mas fico me imaginando na posição da mulher que está se divertindo e sentindo prazer.”

Esta sede de pornô autêntico é um tema que a atriz bissexual pornô Sovereign Syre, 28 anos – que realiza principalmente cenas lésbicas – ouviu de suas próprias fãs heterossexuais. “No pornô especialmente, os encontros sexuais entre homens e mulheres muitas vezes pode tornar-se abruptos e mecânicos”, diz ela. “Assistir à pornografia lésbica pode ser uma maneira das mulheres desfrutarem de imagens sexuais com naturalidade”, completa.

De acordo com cientistas do Instituto Kinsey Erick Janssen e John Bancroft, a questão de como e por que os seres humanos se tornam sexualmente excitados é atendido por um “modelo de controle dual”: uma série de estimulantes e inibidores que se diferem na intensidade e na concepção de pessoa para pessoa. Os seus aceleradores sexuais são as coisas que mais te excitam visualmente e no imagético. Os freios são as coisas que você pensa para controlar o seu nível de excitação, como por exemplo pensar em seus pais fazendo sexo ou fatores psicológicos como estresse no trabalho, ou sentir como se o sexo fosse uma obrigação ao invés de um prazer a ser desfrutado.

E, no caso de pornografia lésbica, você tem uma equação que – para algumas mulheres, pelo menos – se transforma no estimulante sem ser um freio. “Pornô lésbico possui sexo, que é sexy, e, por isso, ativa o acelerador sexual do seu cérebro, assim como um monte de outros pornô fazem”, explica Emily Nagoski, educadora sexual da Smith College, autora do livro “Assim como você é: A Nova Ciência Surpreendente que irá transformar sua vida sexual”. Esses vídeos lésbicos não ativam os mesmos inibidores que a pornografia hétero faz quando se concentra no prazer do sexo masculino, ou apresentando cenários em que as mulheres são dominadas por homens.

Masturbar-se com pornografia lésbica não significa necessariamente que você quer transar com mulheres, diz Nagoski. O que muda em nossos aceleradores sexuais ou ativa os nossos freios depende do contexto, e “o contexto de assistir a pornografia sozinho é totalmente diferente do contexto de ter relações sexuais com um parceiro.” Mulheres como Carla e Laura podem ficar excitadas em assistir às mulheres na tela, mas fora da tela, é o sexo com seus parceiros do sexo masculino que elas preferem fazer.

Claro que a pornografia lésbica também pode ser um sinal de que você é gay. Sandra, 31 anos, começou a assistir pornô lésbico após a faculdade. Curiosa, ela decidiu sair com mulheres para saber se essa excitação era só algo visual ou não. E agora ela se assume bissexual e está namorando sua amiga Georgia há mais de um ano. “Eu assisti a pornô lésbico durante anos antes de aceitar que eu estava me sentindo atraída por mulheres”, diz ela. “Na minha mente, ficar excitada com pornô lésbico significava alguma coisa. E, embora tenha significado algo para mim, isso não acontece necessariamente nas outras garotas.”

A popularidade do pornô lésbico entre as mulheres héteros não é apenas uma questão de ser mais “autêntico” ou melhor adaptado aos gostos das mulheres, pois há muito pornô lésbico ruim por aí. Trata-se de um reflexo de uma verdade mais profunda que, para muita gente, rótulos como hétero, gay ou bi não fazem justiça à complexidade de seus desejos ou o alcance de suas imaginações sexuais.

Talvez a pesquisa mais esclarecedora para a sexualidade das mulheres tenha sido a realizada pela Universidade de Utah, em que a psicóloga Lisa Diamond, autora do livro “Sexual Fluidez: Amor e Desejo” produziu. Na pesquisa descobriu-se que a maioria dos estudos de experiências LGBT era focada em homens gays, por isso Diamond começou um estudo longitudinal das identidades sexuais das mulheres em meados da década de 1990. Ela tem acompanhado um grupo de 89 mulheres por quase 20 anos.

Ela descobriu que as experiências de muitas mulheres de desejo e atração eram mais variáveis do que as palavras que elas usavam para descrever. “Nesse estudo foi totalmente possível para uma mulher lésbica ter uma atração ocasional por um homem”, explica ela. As observações de Diamante sobre a disparidade entre a fantasia sexual e identidade são suportados por um estudo publicado no Jornal de Medicina Sexual, em outubro, que examinou mais de 1.500 canadenses. Constatou-se que 45,2% dos homens têm fantasias sobre fazer sexo com outro homem, e 36,9% das mulheres tinham fantasiado sobre estar com outra mulher – números superiores a 5% da população canadense que se identificam como gays, lésbicas, bissexuais, de acordo com um estudo de 2012 pelo National Post.

Isso não significa que a orientação sexual não existe ou que todo mundo é secretamente bissexual, diz Diamond. “Significa apenas que os rótulos de ‘gay’ e ‘hétero’ não são tão deterministas como nós pensamos que eles são”, explica ela.

Para Carla, mesmo que ela se enxergue como hétero, ela reconhece que uma palavra não leva em conta todos os seus desejos sexuais. “A pornografia que eu assisto é apenas uma pequena parte de quem eu sou e da minha sexualidade”, diz ela.


Você tem o costume de assistir a pornografia para se masturbar? Que tipo de vídeos mais te excitam e você mais procura? Comente abaixo!

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

RECOMENDADOS PARA VOCÊ

4 comentários

  1. Muito homem tambem gosta.

  2. Belo homem separado, 44 anos bem resolvido, moro em Brasília, em Águas Claras no meu apt, loiro, branco em forma 1,78 77 kg olhos verdes, muito educado, verdadeiro e discreto, Busco amizades com gatas bi e lésbicas aonde buscam ter uma relação a 3 aonde aconteça tudo de bom com segurança e carinho, sou especializado em sexo total com adoração oral demorado e anal profundo carinhoso. (061) 99638-1012
    Acessem somente mulheres Bi ou Lésbicas que busquem realmente amizade segura e intima em Brasília.

  3. Sexo lésbico excita-me bastante e o meu marido também gosta por isso sempre temos videos do genero assim como de travestis e homem com homem assistimos tudo e nos da muita tesão nas preliminares nos leva na lua. Temos um disco duro cheio desses filmes especiais bem guardado com os brinquedos eróticos num armário que temos no quarto devido das crianças.

  4. Sou bi e invariavelmente, para criar um clima em reunião mais intima de amigas, rola um videozinho lesbico, sem som e aí as garotas olham de relance as cenas, mas já vão tendo inspiração para escolher um par e se jogar.
    Em uma reunião de umas 15 garotas, sendo que umas 5 eram lesbicas, e o resto bi, pusemos um filme de orgia, para ver se estimulava, mas o que a maioria pediu foi um porno mais light e isso incendiou a turminha, para uma festinha que terminou numa pegação geral.

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*